segunda-feira, 28 de junho de 2010

Família – O Maravilhoso Projeto de Deus (Gn 2.18,21-24 / Sl 127.1-3)

A visão de Deus para o futuro da humanidade incluiu a criação da família como modelo de estruturação da sociedade. Sem ela tudo o mais que o homem construiu ao longo de sua história não subsistiria.

Deus criou a família e este foi um projeto acabado. Os retoques só são necessários por causa da permissão de entrada do pecado em sua vida, provocada pelo próprio ser humano. Além do mais, estes ajustes são feitos pelo próprio Deus, a partir do momento em que voltamos a submeter nossas vidas ao projeto magnífico do Criador de nos fazer novas criaturas.

Sendo Deus o formador da família, todos nós precisamos estar submissos à sua vontade, e Ele sabe o que idealizou e quais são os caminhos que devem ser seguidos para a construção de uma família vitoriosa.

Se quisermos ter uma família vitoriosa, temos que trazer tudo o que nos envolve para o plano familiar, pois nesse plano a nossa genealogia está inserida. Nem mesmo Jesus nasceu sem genealogia. Deus não mandou Seu Filho vir a Terra sem um plano familiar.

Jesus não poderia aparecer do nada, porque não existe profeta sem identidade. Para Ele ser quem foi, todo mundo tinha que saber de quem Ele era filho (na Terra), quem era sua família.

Jesus tinha a sua identificação, a sua identidade, o seu endereço. Por um tempo, só os seus discípulos conheceram a sua identidade messiânica, mas todos os outros sabiam quem Ele era socialmente.

A genealogia identificava sua família: era filho do carpinteiro, irmão de fulano, beltrano, sicrano' (Mt 13:55). O capítulo dois e verso 11 de Mateus diz que os magos encontraram o menino Jesus com Maria em sua casa, ou seja, na casa de seu pai José.

Até completar doze anos, quando atingiu a independência religiosa, Jesus estava aos cuidados de José (Lc 2:42). Nosso Messias tinha casa, não era alguém que vivia "por aí".

Desde o dia que Deus entendeu que “não era bom que o homem estivesse só” e formou a mulher, Deus percebeu a necessidade dos valores que o companheirismo, o carinho, a mutualidade de experiências e vivências, a solidariedade e o interesse em causas comuns podiam tornar presentes na vida do ser humano.

Isso se viabiliza e se consolida por meio da família. Cabe ao marido e à esposa fazerem valer todo o significado e a importância da família conforme Deus idealizou.

E quais são os requisitos que Deus idealizou para a família?

Que não devemos permitir que a discriminação e a preferência atrapalhem a comunhão no seio da família. Quando pais têm preferências por algum filho, isto gera descontentamento e ciúme nos outros, provocando raiva, inveja e discriminação. Não permitamos que estes erros estraguem a família.

Que o amor é a base da família. Sem amor não há família, porque sem amor não há casamento. O amor é fundamental para a sobrevivência do lar.

Que precisamos ser pacientes com relação aos assuntos de família. Se há um lugar onde a paciência deve reinar, este lugar é o lar. A paciência é companheira do amor. Diz o apóstolo Paulo que “o amor é paciente” (I Co 13.4-7).

Que não pode faltar fidelidade na família. São muitas as tentações para não se viver a vida familiar e o casamento de maneira fiel. Que o digam José e as tentações que sofreu da mulher de Potifar.

Porém em tudo José foi fiel, tanto ao seu Deus, à sua família, aos seus patrões e aos seus princípios. Sem fidelidade de ambas as partes não há como se sustentar um casamento.

Que a família precisa assumir um compromisso com Deus. Somente quando a família assume um compromisso verdadeiro com Deus ela credencia-se às bênçãos divinas. Josué nos deixa este exemplo magnífico: “Eu e a minha casa serviremos ao Senhor!”.

Portanto, a Bíblia não esconde nada em termos de família. As que viveram de acordo com a vontade de Deus nos dão o exemplo a seguir. As que se afastaram do plano divino nos ensinam a como não fazer. Com ambas, aprendemos que somos humanos e que precisamos sempre permitir que Deus controle nossa existência.

O Sl 127 diz que é Deus quem edifica a nossa casa. Deus tem um padrão para a minha vida, para a tua vida. Fora deste padrão Deus não pode edificar as nossas vidas. Deus não pode ser apenas o empreiteiro da obra das nossas vidas, Ele quer ser o proprietário, Aquele que decide como, quando, onde e quem deve fazer.

Diz à pessoa ao seu lado: Deus não aceita negociações.

Já que é Ele quem vai construir, Ele também quer manter, pois é Ele quem conhece os detalhes do plano original, porque só Ele pode consertar, arrumar e manter nossas vidas em ordem, se nós assim o permitirmos.

Mahatma Ghandi disse certa vez: “Se voce não consegue se controlar, como deseja controlar os outros?” E eu lhe digo o seguinte: “Se voce nao se deixa controlar por Deus, como quer que Deus controle os outros?” Ou entramos nos moldes que Ele tem preparado para nós ou trabalharemos em vão.

Se Deus estiver no controle de nossas vidas, fará o que deve ser feito. Ou entregamos as chaves para que Ele dirija, ou faremos do nosso jeito e sofreremos as conseqüências de nossos atos. Se Deus não operar em nossa vida, em nossas atividades, em nossos objetivos, tudo acabará em frustração.

Famílias felizes não são as que não têm problemas, pois isto é uma mentira, mas são aquelas que submetem seus problemas a quem inventou a família e até hoje está investindo no aperfeiçoamento dela: Deus.

Lares que dão certo são aqueles onde se encontram as virtudes do amor, da compaixão, da compreensão, do respeito, da solidariedade, do diálogo, do temor a Deus, entre outras virtudes cristãs, que enaltecem a família e a equipam para superação dos embates da vida.

A casa é o espaço de comunicação, comunhão, convivência e afetividade de seus membros. Atualmente, com todos os recursos humanos, tecnológicos, científicos, relacionais e os meios de comunicação, a família, que tem no lar o seu ponto de referência, vive momentos dramáticos e desintegradores.

O ser humano anseia por encontrar um lugar de refúgio, de convivência e de paz. Tomar esse espaço parece, a cada dia, estar mais distante das possibilidades da família.

O atual modo de vida dificulta a presença e a comunicação entre os que vivem sob o teto da família. A pressão econômica e social gera sobrecarga de trabalho e responsabilidade acrescentada a seus componentes, destacando-se, em especial, a mulher. É necessário refletir e avaliar esse "estilo de vida".

Temos sido chamados a reavaliar a situação em que nos encontramos, visando a alcançar a restauração do espaço famíliar. Há muitos caminhos e meios oferecidos hoje que levam a essa reintegração. Todos são de grande importância, todavia queremos destacar o que diz a Palavra de Deus: "Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam".

Tem faltado uma presença sustentadora, fortalecedora, renovadora e reintegradora de Deus nos lares. Cristo, como o centro de reconciliação da vida e reintegrador da comunhão com o Pai, com o próximo, e da pessoa consigo mesma, nos oferece a graça e o poder para a revitalização da família.

A Palavra de Deus coloca a presença divina como fundamental na vida famíliar, dinamizando a espiritualidade pessoal e interpessoal, proporcionando condições para a convivência por meio da graça, do amor, da tolerância, do acolhimento e do perdão.

Não bastam bens, pertences e valores na vida de algumas famílias. É necessária a presença transformadora de Cristo, Aquele que tudo transforma e restaura.

O casamento não pode ser visto apenas com a visão humana, porque ele não é uma instituição criada pelo homem, o casamento é um grande e maravilhoso projeto criado por Deus.

A Palavra de Deus ensina que um dos propósitos de Deus para a família é perpetuar uma herança espiritual. Sl 127.3 nos diz: "Herança do Senhor são os filhos: o fruto do ventre, seu galardão". É o papel dos pais formarem em seus filhos a imagem de Deus e desenvolver neles o caráter cristão.

Tragicamente muitos homens cristãos têm falhado em liderar, amar e servir suas esposas, em parte, possivelmente devido ao machismo e em parte pela ausência de exemplos para seguirem.

Por outro lado, muitas mulheres cristãs também não têm sido as ajudadoras que poderiam ser, falhando em dar apoio amoroso, encorajamento a seus maridos, e em criar os filhos nos caminhos do Senhor.

Para que uma família possa influenciar positivamente os que estão a seu redor, é necessário que haja um reconhecimento dos papéis, uma disposição em exercê-los e muita oração com dependência de Deus para executá-lo da melhor forma possível.

Somente a presença de Deus pode dar o suporte para a comunhão e a convivência no lar, pois o Senhor está edificando a casa e a Sua presença faz possível a superação de múltiplos obstáculos presentes na vida.

(Mensagem ministrada no culto de domingo à noite, dia 27 de junho, pelo Pr. Conde).

Um comentário:

Pr. Ronaldo disse...

Olá, Querido discípulo de Yeshua, sigo seu blog e suas atualizações de postagens etc.
Gostaria se possível fazer parte de sua lista de parceiros para minhas atualizações. E divulgarmos juntos o nome de Yeshua. Ok!

Voce esta em minha pág.confira!!!

Obrigado!
Pr. Ronaldo Mendes
www.cvnyeshua.blogspot.com

LinkWithin

"Poderá gostar de:" Related Posts with Thumbnails