segunda-feira, 26 de julho de 2010

De remendos velhos para panos novos - De odres velhos para Odres novos

Lc 5.27-39

Existem certas coisas que, por mais que você queira jamais se juntarão. Por exemplo: a água e o óleo, o fogo e a água, o leite e o vinagre, você pode fazer o que for, estes elementos não compactuarão do mesmo espaço.

O novo nascimento em Cristo é algo que deve mudar completamente a vida daqueles que experimentam receber Jesus como Senhor e salvador. A mudança é percebida quando o crente vai abandonando tudo aquilo que pertencia à sua velha vida. Não podemos querer conciliar a nova vida em Cristo com a velha vida do mundo.

O texto que lemos nos ensinam três verdades importantes para as nossas vidas:

1ª Verdade: O NOVO E O VELHO NÃO SE MISTURAM

O verso 36 diz: “Ninguém tira um pedaço de uma roupa nova para a coser em roupa velha, pois romperá a nova e o remendo não condiz com a velha.”.

Assim como Jesus, qualquer pessoa sabe que, ao colocar um remendo novo em uma veste velha, leva-se a dois desastres, um estrutural e outro estético.

Estrutural porque o remendo novo, logo na primeira lavada da roupa, encolheria, fazendo uma ruptura maior no tecido velho do que a anterior; e estético, pois, pelo fato de o remendo ser novo, o mesmo faria com que a roupa velha se mostrasse mais velha ainda.

Quantos de nós temos a tendência forte em querer remendar aquilo que não é remendável. Não é possível receber uma palavra abençoadora, uma unção impactante, um louvor que quebranta todo o nosso ser, se a nossa vida ainda permanece sem transformação, emaranhada nas coisas do “velho homem”.

Não acontece mudança, a transformação não é verdadeira. Não surte efeito, e o que era para “tapar o buraco” acaba rasgando-o mais ainda, mostrando e arregaçando a nossa realidade sem Deus e sem restauração.

Existe muita gente por aí remendada. Remendos da falsa espiritualidade, da falsa religiosidade, da falsa adoração, do falso louvor, da falsa santidade. Mas no final eles mesmos sabem que precisam de vestes novas, vestes limpas, vestes santas.

Chegou a hora de deixar para trás não só a velha religião, mas o velho homem e as velhas idéias sobre Deus. Jesus não rejeitou o amor, a oração e o jejum em si, mas atos feitos por motivos errados.

Jesus veio chamar o povo a dedicar a Deus o que ele mais quer – nossos corações.

2ª Verdade: NÃO PODEMOS VIVER DE APARÊNCIAS

Aqueles que desejassem seguir Jesus precisam abandonar a falsa religiosidade, a vida de aparências – aquela vida que mostra que por fora são belos, mas que por dentro só há imundícia. O nome disso é remendo velho. É justamente o apego a estes remendos que acaba enfraquecendo o pano novo que Jesus quer costurar em nossas vidas.

A opção pelo novo de Deus é uma decisão pessoal. Jesus não interfere em nossa vontade, mas espera que tomemos a decisão de deixarmos que Ele nos guie em todos os nossos caminhos. As coisas velhas só vão passar quando tomarmos esta decisão.

Qual a bagagem que nós precisamos deixar? Você já examinou o tecido da sua fé? Às vezes ele contém pedaços de panos do passado.

Decida eliminar tudo aquilo que lembra a sua velha vida. Comece fazendo uma limpeza dentro da sua casa e jogue fora tudo que ainda liga você à sua vida sem Jesus. Não dê nem venda, pois só devemos dar aquilo que queremos para nós também.

A única vida que vale é aquela que é 100% Jesus: Jesus em nossos atos, Jesus em nossas palavras, e, acima de tudo, Jesus em nossos corações.

3ª Verdade: O VINHO NOVO E ODRE VELHO NÃO COMBINAM

O verso 37 diz: “E ninguém deita vinho novo em odres velhos; de outra sorte o vinho novo romperá os odres, e entornar-se-á o vinho, e os odres se estragarão; Mas o vinho novo deve deitar-se em odres novos, e ambos juntamente se conservarão.”

Os odres eram sacos confeccionados de pele de carneiro ou outro animal, feitos para reter, para guardar líquidos. Esses odres quando novos eram flexíveis, mas quando ficavam velhos perdiam a elasticidade. Se fosse derramado vinho novo nesse odre velho, devido a sua fermentação, ele estourava, rompia e o vinho se perdia.

Quando Jesus falava sobre isso Ele ensinava sobre a necessidade de mudanças. Jesus nos ensina com essa palavra que muitos cristãos estão vivendo empacados, com a visão limitada de Deus e das suas próprias capacidades.

Muitas pessoas estão paralisadas, esperando o agir de Deus em suas vidas, mas têm permanecido apenas esperando. E nós, como igreja, como os odres novos dessa geração, precisamos entender que a mudança deve partir primeiramente de cada um de nós. Precisamos deixar de ser odres velhos, mas para isso precisamos ser transformados.

Para ser cheio do Espírito Santo de Deus o crente precisa ter a sua vida renovada em Cristo, pois o vinho novo de Deus não entra num odre velho e sujo. Assim como o vinho novo não combina com odre velho, o Espírito Santo não combina com uma vida de pecado (Ef 5.18).

Decida hoje ser um odre novo buscando uma vida de santidade, pois Deus quer levar você mais além do que você possa imaginar.

Diz a pessoa ao seu lado: Jesus está ensinando que o que é novo tem quer estar no que é novo.

O vinho novo normalmente está em processo de fermentação e por isso se expande; colocá-lo em odres velhos é condená-lo à perda, pois estes irão se romper, não resistindo ao que é novo.

O velho homem, a velha mente, os velhos costumes, a velha religião, as velhas amizades, a velha mentira e o sempre velho pecado não resistem à novidade de vida que Jesus nos comprou na cruz.

Ou nos transformamos totalmente, abandonando de vez a nossa velha natureza para receber o vinho novo, o evangelho das boas novas, ou então continuaremos nos mesmos moldes, nos ressecando com o passar do tempo até rompermos em nossos conceitos errados de Deus.

O novo não é novo, mas é o que já existe há tempos, é a Palavra viva, genuína, verdadeira e sem adulteração, sem achismos humanos e nem parcerias pecaminosas. Muitos se enganam achando que o que é de Deus muda-se de tempos em tempos.

Deus não muda, nós é que temos que ser transformados nEle a cada dia, de glória em glória, como a luz da aurora que nasce até se tornar dia perfeito.

Diz a pessoa ao seu lado: Precisamos ter uma roupa nova e sermos um odre novo, porque coisas velhas e coisas novas não se combinam.

As coisas velhas precisam ser deixadas para trás para que as novas assumam o seu lugar. Aplica-se a mesma lei da Física que diz: “dois corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço”. “Coisas Velhas e Coisas Novas não ocupam o mesmo lugar na vida das pessoas.”

Portanto, não se deve adicionar experiências no presente às situações do passado não bem resolvidas. A verdade, é que precisa haver constantemente em nós um recomeço, uma renovação, uma restauração.

Precisamos testemunhar em todo tempo, com santidade, mudança de caráter e amor, e também como odres fortes e firmes, humildes, deixando fluir do nosso interior a vida de Deus através do Espírito Santo que habita em nós, mostrando conteúdo e conhecimento na Palavra e no compromisso com Deus.

(Mensagem ministrada no culto à noite, domingo, dia 25 de julho pelo Pr. Conde).

Um comentário:

Abicitxp disse...

SelladosxCristo: Hola saludos desde Ecuador!! bendiciones les invitamos a visitar Sellados por Cristo http://selladosxcristo.blogspot.com espero tu visita!!

LinkWithin

"Poderá gostar de:" Related Posts with Thumbnails